O abominável mundo dos powerpoints

 

De há uns anos para cá, não há conferência/aula/reunião que não conte com uma apresentação em Powerpoint.

Toda a gente acha que a sua ideia só pode ser apresentada de uma maneira: num projector, perante um público mais ou menos reduzido. Da experiência que tenho, primeiro na faculdade e agora em três anos no mercado de trabalho, consigo já sistematizar as pessoas que usam este software em grupos, de acordo com características comuns.

O primeiro grupo é aquilo que posso chamar de simplista. Aqueles que pensam que o menos é mais, que mais vale algum texto nos slides do que apenas imagens. FYI, a apresentação é fundamentalmente utilizada como forma de recordar o que foi dito, e para isso de nada servem os slides com transcrições de livros, nem tão pouco colecções de imagens que foram pretexto para a discussão principal. Estas pessoas preferem, em geral, fundos lisos e cores neutras.

Depois há o grupo que utiliza o Powerpoint como bengala para a sua falta de à vontade para falar em público, escrevendo tudo o que há para dizer nos slides (resultado: slides pesados, com letra pequena e impossível de ler a uma distância média). Eu já fui assim, odeio falar em público e tenho sempre medo de me esquecer das coisas mais importantes. Mas também já estive do outro lado, do lado do público, e não gostei: perdi-me/aborreci-me a meio da apresentação, embalada pelo pensamento “ah,tudo o que é importante está escrito nos slides. Posso ler depois”.

Por último, há o grupo que utiliza tudo o que tem direito: bonecos, efeitos visuais e efeitos sonoros. Fujo deste grupo como diabo da cruz. Eu percebo que a tentação é grande: há uma panóplia de opções no próprio software, e um infinito número de imagens disponíveis na internet para utilizar. Mas um dos segredos da vida é saber gerir a abundância com contenção.

Tudo isto para dizer que passei há umas semanas pelo sofrimento de ter de preparar uma apresentação/formação em Powerpoint e tentei fazer o meu melhor, e no entanto não consegui deixar de ser contaminada por bonecos e demasiado texto. E recordei-me de uma frase que já não dizia há cerca de um ano: “Já mencionei que odeio Powerpoint?”.

Anúncios
O abominável mundo dos powerpoints

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s